(11) 5634-0455    
(11)99998-8658whatsapp

  • Dicas +

    Aqui você encontra as melhores dicas de equipamentos e dicas para sua segurança.

     

  • Bate estaca +

    • Manter o pilão no solo quando não estiver em operação;

    • Usar cinturão de segurança, tipo paraquedista, preso ao trava queda em cabo independente, ao posicionar a estaca no capacete do pilão;

    • Isolar a área de operação, durante o posicionamento da estaca no capacete; Utilizar protetor auditivo, luvas de raspa, bota de borracha ou de couro, vestimenta e, na operação de soldagem dos anéis, usar máscara de solda, avental, luva e mangote de raspa.
  • Equipamentos de segurança individual +

    Cabe ao trabalhador: Utilizar os EPI necessários de acordo com a tarefa a ser realizada; Zelar pela sua guarda, limpeza e conservação; Solicitar a substituição, quando necessário; Atentar que o EPI é de uso exclusivo.

    CAPACETE: Dispositivo básico de segurança em qualquer obra. O casco é feito de material plástico rígido, de alta resistência à penetração e impacto. É desenhado para rebater o material em queda para o lado, evitando lesões no pescoço do trabalhador. É utilizado com suspensão, que permite o ajuste mais exato à cabeça e amortece os impactos.


    CALÇADOS: Podem ser botas ou sapatos. As botas, feitas de PVC e com solado antiderrapante, são usadas em locais úmidos, inundados ou com presença de ácidos e podem ter canos até as virilhas. Os sapatos são de uso permanente na obra. A versão com biqueira de aço protege de materiais pesados que podem cair nos pés do usuário. Em serviços de soldagem ou corte a quente são usadas perneiras de raspa de couro.

    LUVAS: É o equipamento com maior diversidade de especificações. São nove tipos básicos de luvas existentes no mercado atualmente. Elas podem ser de:

    • amianto (para altas temperaturas);
    • raspa de couro (soldagern ou corte a quente);
    • PVC com forro de malha fina (produtos químicos);
    • PVC sem forro (permite maior mobilidade que a versão forrada);
    • PVC sem forro e 7cm de punho (protege apenas as mãos, mas é bastante maleável);
    • borracha (serviços elétricos, divididos em cinco classes, de acordo com a voltagem);
    • pelica (protege as luvas de borracha contra perfurações);
    • lona com punho de malha (evita riscos e cortes no manuseio de materiais leves);
    • vinílica (protege da radiação infravermelha ou ultravioleta).

     

    ÓCULOS: São especificados de acordo com o tipo de risco, desde materiais sólidos perfurantes até poeiras em suspensão, passando por materiais químicos, radiação e serviços de solda ou corte a quente com maçarico. Nesse último caso, devem ser usadas lentes especiais.

    RESPIRADORES: Asseguram o funcionamento do aparelho respiratório contra gases, poeiras e vapores. Contra poeiras incômodas é usada a máscara descartável. Os respiradores podem ser semifaciais (abrangem nariz e boca) ou faciais (nariz, boca e olhos). A especificação dos filtros depende do tipo de substância ao qual o trabalhador está exposto.

    ESCUDO DE MÁSCARAS: Protegem os olhos e o rosto contra fagulhas incandescentes e raios ultravioleta em serviços de soldagern. As máscaras diferem dos escudos por não ocupar nenhuma mão do trabalhador. As lentes variam de acordo com a intensidade da radiação. Os protetores faciais também asseguram proteção contra projeção de partículas, mas proporcionam visão panorâmica ao usuário.

    PROTETORES AURICULARES: Protegem os ouvidos em ambientes onde o ruído está acima dos limites de tolerância, ou seja, 85dB para oito horas de exposição.

    AVENTAIS: Protegem o tórax, o abdômen e parte dos membros inferiores do trabalhador. Os aventais podem ser de raspa de couro (para soldagem ou corte a quente) ou PVC (contra produtos químicos e derivados de petróleo).

    CINTURÕES: Evitam quedas de trabalhadores, acidentes muitas vezes fatais. Feitos de couro ou náilon, possuem argolas que se engancham em um cabo preso à estrutura da construção. O cinto de segurança limitador de espaço tem como função reduzir a área de atuação do usuário, não substituindo o cinturão pára-quedas.

    COLETE REFLEXIVO: Feito de tecido plastificado laranja, é bastante usado em trabalhos com risco de atropelamento.

    CAPA DE CHUVA: Protege o trabalhador contra a chuva.

  • Grua +

    • A grua deve ser montada, desmontada e mantida somente por profissional qualificado, operações que devem ser supervisionadas por profissional legalmente habilitado. Deve ser operada somente por trabalhador treinado e em boas condições de saúde;

    • Deve ter estrutura aterrada, para-raios a 2,00m acima da parte mais elevada da torre e lâmpada piloto para sinalizar o topo; Deve dispor de anemômetro com alarme sonoro.

    • Quando a velocidade do vento for superior à 42Km/h, permitir a operação assistida e quando superior a 72Km/h, proibir a operação; Proibir sua operação sob intempéries;

    • Elaborar e implementar procedimento para resgate do operador, em caso de mal-estar; Disponibilizar ao operador: assento com encosto dorso lombar, garrafa térmica com líquidos resfriados para o consumo e pausas para as necessidades fisiológicas;

    • Providenciar sistema de comunicação via rádio, em frequência exclusiva, entre operador e sinaleiro amarrador; Isolar áreas de carga e descarga no raio de ação da grua;

    • Verificar diariamente o funcionamento do sistema de fim de curso; Seguir o plano de carga conforme determinação da NR-18, anexo III.
  • Levantamento e transporte de cargas +

    No levantamento manual, agachar próximo à carga mantendo a coluna ereta, os pés afastados e a carga próxima ao tronco para que a força seja realizada pelas pernas. Usar dois ou mais trabalhadores para transportar cargas com peso superior a 23kg.

  • Montagem de andaime tubular +

    Andaimes

    Montagem de Andaime TubularMontagem de Andaime Tubular

     

  • Transporte de carga com carrinhos manuais +

    • A rampa portátil permite acesso do carrinho à carroceria do caminhão, evitando o transporte manual de carga. Os carrinhos para transporte de materiais devem ter rodas adequadas ao piso e sistema de trava a ser utilizado em piso desnivelado.

    • Devem ser mantidos, preventivamente, com engraxe das roldanas e calibração dos pneus. Permitir a operação somente por profissional qualificado; Manter a cabina do elevador em boas condições e placa com indicação de carga máxima permitida;
  • Transporte mecanizado de materiais +

    • Instalar torres dimensionadas para as cargas previstas, afastadas de redes elétricas ou isoladas, conforme normas da concessionária local; Instalar torre e guincho em uma única base de concreto, rígida e nivelada;

    • Manter a distância de 4,00m (quatro metros) entre a viga superior da cabina e o topo da torre, após a última parada;

    • Providenciar aterramento elétrico da torre e guincho do elevador; Revestir as torres de elevadores com tela de arame galvanizado ou material similar; Proteger as partes móveis do sistema de transmissão;

    • Providenciar sistema de comunicação via rádio, em frequência diferente das outras operações; Fornecer ao operador assento com encosto dorso lombar.
  • Serra circular +

    • Instalar coifa protetora com alavanca de regulagem, cutelo divisor, proteção no sistema de transmissão de força e no dispositivo de acionamento;

    • Disponibilizar caixa coletora de serragem e sistema de coleta de poeira de madeira;

    • O trabalhador deve utilizar dispositivo empurrador para serrar peças de tamanho reduzido, de modo a afastar as mãos do ponto de corte;

    • Afixar na carpintaria a relação dos trabalhadores autorizados a operar a serra circular;

    • O trabalhador deverá utilizar capacete, protetor facial, protetor auditivo, luvas de raspa, respirador descartável, avental e calçado de segurança.
  • Poço do elevador +

    Instalar fechamento provisório em material resistente e seguramente fixado à estrutura nos vãos de acesso ao poço dos elevadores.

    Orientações para remoção das ferragens do poço do elevador:

    • Iniciar a remoção das ferragens dos pavimentos superiores para os inferiores; Fornecer e tornar obrigatório o uso do cinturão de segurança, fixado ao trava-queda, que deverá estar preso ao cabo de fibra sintética, afixado ao teto do poço do elevador;

    • Utilizar capacete de segurança, óculos de proteção ou protetor facial, respirador contra poeira, protetor auditivo e luvas de raspa no uso da esmerilhadeira;

    • Instalar nas entradas dos poços dos elevadores cartazes para informar a existência de trabalhadores realizando atividades no local.
  • 1